Texto de Ana Beatriz Ribeiro e Caio Brasil, Jornalista e Pesquisadores do GEPeSP – matéria completa em https://ippesbrasil.com.br/escolaqprevine/dossie/

O Programa EscolaQPrevine tem como objetivo desenvolver habilidades emocionais para a vida de professores, funcionários e alunos, além de formar multiplicadores em Prevenção de Violências Autoprovocadas em Ambiente Escolar. A Escola Municipal Roberto Weguelin de Abreu, em Jardim Imbarie, Duque de Caxias, foi selecionada para receber o piloto do programa. Segundo a pesquisa desenvolvida pelo Grupo de Estudo e Pesquisa em Suicídio e Prevenção (GEPeSP) em escolas da cidade, a EM Roberto Weguelin liderou o ranking de vulnerabilidade às violências autoprovocadas (ideação suicida, tentativa de suicídio e automutilação) declaradas pelos alunos de forma sigilosa. Além disso, ela apresentou maior taxa de adesão da comunidade escolar ao Programa. O piloto foi desenvolvido com adolescentes com faixa etária entre 9 a 15 anos, matriculados no Ensino Fundamental II.

Dois conceitos interligados fundamentam o Programa: a saúde mental, segundo as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS); e o de habilidades socioemocionais, definido pela Base Nacional Comum Curricular (2017), também conhecido como educação emocional. A meta é refletir sobre a saúde, o estilo e a qualidade de vida, valores socioculturais, afetivos e relacionais de jovens e adolescentes nas oficinas de educação emocional junto com professores e alunos. Os professores que recebem a formação continuada em educação emocional são os futuros supervisores do trabalho de prevenção de violência autoprovocadas em sua comunidade escolar.

 

EscolaQPrevine é um projeto pioneiro construído em parceria pelo GEPeSP/IPPES, Associação pela Saúde Emocional de Crianças (ASEC) e a empresa Comunicação e Expressão Consultoria Especializada.

 

Participação da Consultora Cláudia Mourão no Módulo Comunicação Assertiva e Não-Violenta:

“Meu aluno anda quieto e me parece triste. Como conversar com ele sem que isso gere mais dor ou desconforto?” Para descobrir como fazer a abordagem de forma correta, os professores e funcionários participaram da capacitação em comunicação assertiva e não-violenta ministrada pela fonoaudióloga e diretora da Comunicação Expressão Cláudia Mourão.

A comunicação assertiva é a habilidade de se expressar e se afirmar sem agressividade. É uma forma de apresentar seu ponto de vista e mostrar o que sente de forma respeitosa – consigo mesmo e com os outros. Quando isso não ocorre pode haver conflitos, mal entendidos e prejuízos. E isso acontece não só por conta do que dizemos, mas devido os sentimentos, respostas e reações que cada pessoa pode ter diante dessas situações.

Com o objetivo de disseminar esse conhecimento, a facilitadora Cláudia Mourão realizou em sala de aula dinâmicas focadas no fortalecimento das habilidades de comunicação interpessoal dos participantes, estimulando-os a escolher palavras, posturas e utilizar o tom de voz adequado à situação, além de tornar consciente a maneira assertiva de se comunicar. Os professores e funcionários tiveram a oportunidade de refletir a sua prática a partir de simulações de situações de acordo com a realidade de sala de aula.

O módulo de comunicação assertiva e não violenta não somente sensibilizou e envolveu, mas também fez que professores e colaboradores se comprometessem com a experiência das atitudes comunicativas positivas. Os exercícios desenvolvidos em sala de aula revelaram possíveis caminhos para a criação de ambientes cada vez mais propícios a esse tipo de ação, servindo de exemplo para os alunos replicarem em suas interações cotidianas. As fotos mostram um pouquinho da capacitação que a fonoaudióloga Cláudia Mourão deu aos participantes.

Prática de cuidados com a voz – o tom de voz é relevante na abordagem e na comunicação assertiva!

O corpo fala e comunica muito mais do que percebemos! Simulação de abordagem, postura corporal e interação com o colega.

Ao final, cada grupo estruturou um plano de ações para implementação na Escola, comprometendo os envolvidos a disseminar ações de percepção e acolhimento, comunicação clara, interesse pelo sentimento e necessidades dos alunos e como manter a empatia e a abertura para conversações e diálogos entre todos.

Mais informações sobre o Projeto EscolaQPrevine: https://ippesbrasil.com.br/escolaqprevine/dossie/

Agradecemos ao IPPES pela parceria e pela oportunidade que nos ofereceu de participarmos ativamente deste Projeto. Nossa gratidão também à Escola Roberto Weguellin – direção, professores, colaboradores, alunos e pais participantes -  pela receptividade, acolhimento, interesse e aplicação do conhecimento e das ações e, finalmente,  à SME de Duque de Caxias pelo apoio total e fundamental durante todo o projeto!