Você tem realizado muitas reuniões diárias através das plataformas digitais?

Tem percebido fadiga (cansaço) vocal no final do dia?

Tem a sensação de que a memória falha ao buscar uma palavra ou expressão? Parece que a dicção já não está respondendo com tanta clareza na articulação dos fonemas e as palavras soam “atropeladas”?

Estas e outras queixas têm sido relatadas pelas pessoas, que acabam se sentindo esgotadas e até mesmo confusas, sem entender o que está causando este desconforto.

Frente a um cenário cada vez mais desafiador para os profissionais e as empresas, onde somos exigidos, por força das circunstâncias, a nos comunicar através de diversos canais digitais como as plataformas de conferência remota por vídeo, as interações nas redes sociais, a realização de palestras em apresentações síncronas (LIVES) ou assíncronas (gravadas previamente e disponibilizadas para serem acessadas quando oportuno, à escolha do público de interesse), gravação de podcasts, entre outros, tenho recebido algumas solicitações para escrever posts e gravar vídeos com orientações sobre como aprimorar a performance comunicativa em ambientes digitais.

As muitas reuniões online e o grande tempo investido pelos profissionais na posição sentada, tem trazido consequências físicas como dores nas costas e alterações posturais, causadas, possivelmente, por assentos não adaptados para extenso período de uso. Algumas empresas têm investido no bem-estar de seus colaboradores, fornecendo uma ajuda de custo para auxiliar na aquisição do mobiliário daqueles que estão em home office. Mas, nem sempre esta é a realidade e podemos encontrar algumas alternativas para minimizar os impactos negativos.

A boa postura corporal durante a dinâmica da fala é um fator que oferece impacto à produção e emissão da voz e da fala. Preparamos algumas recomendações que podem ser contributivas para sua melhor performance comunicativa, trazendo maior conforto e prevenindo incômodos gerais.

 

1 - Postura Corporal alinhada durante as interações por vídeo ou áudio

A postura corporal alinhada permite que o indivíduo falante manifeste sua comunicação com maior harmonia dos elementos comunicativos. Mas, o que seria exatamente uma postura alinhada? Quando sentado, o indivíduo deve sentar-se sobre os ísquios (ossos pontudos da bacia, sendo possível senti-los colocando as mãos nos glúteos). Ao sentar-se sobre os ísquios, o quadril e a coluna encontram alinhamento e conforto, promovendo estabilidade postural.

Outra forma de cuidar da postura é evitar “escorregar” na cadeira enquanto estiver em dinâmica de fala. Além de sobrecarregar a lombar com a postura em desalinho, ainda provoca um esquema de esforço muscular laríngeo ao produzir a voz e emitir a fala. Prefira sempre iniciar e manter a fala em postura no eixo corporal, mantendo o queixo paralelo ao solo e sentado (a) sobre os ísquios.

Chamamos atenção para o posicionamento da câmera que está captando sua imagem, no caso das interações por vídeo. Tenha o cuidado de manter o notebook ou a câmera na linha da altura dos seus olhos, para manter uma conexão mais efetiva com o seu público. Caso perceba que está olhando de cima para baixo na direção da câmera, opte por colocar alguns livros ou outro tipo de apoio para levantar o notebook à altura dos olhos. Facilita a postura, aproxima você do seu público e abre oportunidades de realizar gestos ainda mais espontâneos e efetivos.

Finalmente, caso esteja gravando áudio, mantenha a postura no eixo, utilize as pausas respiratórias para manter a voz calibrada e mantenha os gestos livres para colaborar com a naturalidade ao se expressar.

 

2 - Abastecer-se de ar antes de iniciar a fala e durante as pausas

Para que sua voz possa fluir de maneira plena e com uma sonoridade adequada à recepção do ouvinte, procure inspirar (ganhar ar) antes de iniciar a fala. Por que o ar é tão importante para a voz e para a fala?

Porque o processo de emissão da voz e de produção da fala é realizado a partir do ar que sai dos pulmões e será transformado em voz ao passar pelas cordas vocais (pregas vocais), amplificado e convertido em sílabas, palavras e frases, ou seja, nossa fala.

Como não pensamos muito sobre este impacto do ar no resultado da voz e da fala, acabamos por utilizar o ar residual armazenado quando emitimos as primeiras palavras e frases estruturadas. Dessa forma, a voz pode soar baixa, com pouca projeção, já que temos pouco ar para produzir a voz.

Outro ponto a se observar é que, muitos indivíduos falantes utilizam de velocidade de fala rápida por não coordenarem bem a respiração fono-respiratória. Assim, acabam por não articular bem os fonemas e geram uma comunicação “truncada”. A orientação para esta questão está nas pausas respiratórias durante a fala, além da boa articulação dos fonemas. É importante silenciar ao terminar uma frase ou oração, e nesta pausa silenciosa, inspirar (com o apoio do músculo diafragma) para ganhar maior capacidade de ar para a pausa. Uma dica que funciona bem para sairmos do automático e lembrarmos de aplicar estas orientações de forma efetiva, é colocar um lembrete no seu computador, escrevendo em post-its a mensagem “lembre-se de inspirar nas pausas”, de forma que quando estiver em dinâmica de fala, ao comunicar a mensagem possa se lembrar, conscientemente, desta ação.

Quer saber como ampliar sua capacidade respiratória para uma fala mais sonora e plena? Acesse aqui o vídeo que gravei ensinando a Respiração costo-diafragmática, ideal para a melhor performance durante a fala. Assim que assistir, siga os exercícios sugeridos e poderá constatar o ganho de energia com mínimo esforço para a produção da fala.

 

3 - Use gestos eventuais e assertivos durante sua comunicação

O uso de gestos é outro indicador de que a comunicação por vídeo pode ser mais completa, desde que os gestos sejam adequados ao assunto tratado e venham para reforçar o entendimento por parte do ouvinte ou interlocutor. Evite o excesso de gesticulação ou, os gestos que não agregam valor ao contexto comunicativo, como por exemplo, esfregar as mãos em sinal de tensão, ou balançar-se na cadeira e fazer gestos repetitivos com a mão, os quais não sejam coerentes com a fala. Cuidado, também, com gestos amplos demais.

Os gestos devem ser suaves, firmes e com algum sentido de complementariedade à fala. Mesmo que seu estilo pessoal seja mais técnico ou introspectivo, lembre-se de que você vai interagir com diversos estilos diferentes de público, sendo necessário alcançar um bom resultado de entendimento da mensagem e eliminar barreiras à comunicação.

É importante destacar a influência trazida pela mímica facial durante as apresentações por vídeo chamadas. Nossa expressão fala muito sobre nós. Dependendo do tipo de reunião que você está realizando e, do quão você é expressivo, um sinal de apertar os olhos, franzir o cenho e apertar os cantos da boca podem deixar o apresentador da mensagem em situação difícil.

Se você tem facilidade em expressar-se com a mímica facial e quando percebe já entregou uma expressão indesejada, aí vai uma dica: durante sua conversa, nos momentos em que estiver em silêncio, faça a respiração lenta e gradual com apoio do músculo diafragma por duas ou três vezes. Você verá que esta ação ajudará você a relaxar e seu semblante voltará a uma expressão neutra, livre de pontos que possam sinalizar informações as quais você não deseja que sejam reveladas. Treine a respiração e ateste os resultados!

 

4 - Cuide do ambiente e da iluminação

Poder trabalhar em casa, em um ambiente tranquilo, silencioso, bem arejado e iluminado é a expectativa e o desejo de muitos profissionais que aderiram ao home office! Porém, sabemos que esta é uma condição possível para uma pequena parcela de profissionais. Muitas vezes temos que dividir o mesmo espaço com o cônjuge ou com os filhos que estão em aulas virtuais, ou mesmo somos interrompidos por filhos pequenos que ainda não alcançaram a condição de compreensão de que estamos em casa, trabalhando. Precisamos de resiliência, flexibilidade, muito jogo de cintura e criatividade para lidar com o novo contexto.

Como podemos ajustar um ambiente e conseguir resultados melhores na transmissão e recepção das mensagens?

Será importante planejar-se de acordo com a realidade que você vive. Negociar com filhos e cônjuges os horários de utilização do espaço, preparar o ambiente colocando o computador ou notebook em um local onde haja luz suficiente para que facilite a recepção clara da sua imagem para o interlocutor, são algumas dicas práticas.

Um ponto relevante é testar se a internet está com boa velocidade e, se possível, manter-se em um local o mais próximo possível do modem transmissor do sinal da internet. Garanta que os aspectos físicos colaborem positivamente para deixar você mais tranquilo (a) e seguro (a), minimizando qualquer intercorrência que afete sua transmissão.

Estes aspectos que parecem, à primeira vista, não ter influência sobre sua comunicação e performance, atuam como elementos que podem disparar tensão corporal e afetar o seu humor ou estado emocional. Estes, por sua vez, se refletem na sua performance comunicativa e podem afetar a emissão da voz (muitas vezes a voz pode soar trêmula ou frágil) e a dinâmica da fala, pois durante a transmissão da sua mensagem podem surgir pausas inadequadas ou perda do fio condutor da coerência, já que você está com a atenção dividida, em preocupação com o ambiente, o barulho ou outro obstáculo.

Dica importante: mantenha o foco na interação comunicativa. Use a respiração diafragmática para trazer de volta seu equilíbrio e controle da situação. Tente administrar estas questões do ambiente e luminosidade antes de iniciar sua interação.

 

Conclusão

E então? Que tal cuidar dos detalhes que fazem a diferença nas apresentações por vídeo e áudio? Espero que este artigo possa ajudar em suas performances comunicativas! Comunique-se conosco e nos conte sobre seus avanços. Com Expressão a gente se entende! Forte abraço!